Publicado em Deixe um comentário

Água, malte, lúpulo e levedura. Os principais ingredientes cervejeiros

Cerveja é a bebida mais apreciada no mundo inteiro. E você sabe que ela é produzida através da combinação de água, malte, lúpulo e levedura. Mas quais as funções de cada um desses ingredientes na nossa bebida preferida?

Escrevemos esse artigo para desmistificar esse assunto e te fazer enxergar outras perspectivas em seu próximo gole.

Água

A água representa mais de 90% da composição nas cervejas. Ela é fundamental pois serve de meio para a realização das alterações físico-químicas da bebida, tanto nos estágios da mosturação, quanto na fase de fermentação e maturação. O perfil da água pode, por exemplo, alterar a percepção de refrescância, amargor, corpo e até mesmo influenciar na coloração da cerveja.

Dependendo dos sais e minerais presentes na água cervejeira, podemos obter uma cerveja extremamente refrescante quando os índices de carbonatos são baixos ou, por outro lado aumentar a sensação de amargor de uma Dortmund Pils em razão da presença desses índices mais altos. Ter uma boa água é essencial para produzir uma boa cerveja.

Malte

O coração da cerveja bate no malte. É ele que fornece os açúcares necessários para que as leveduras possam fermentar o mosto e gerar álcool, CO2 e ésteres aromáticos. Além disso, cor, sabor e aromas também são totalmente relacionados com os tipos de maltes utilizados no grist (composição de maltes de uma receita de cerveja). Cervejas avermelhadas, por exemplo, geralmente possuem maltes caramelados com torra ligeiramente mais intensas que formam substâncias como a melanoidina, produzida em razão das reações de Maillard lá na maltaria. Já as cervejas escuras como Stouts, Porters, Schwartzbiers entre outras já possuem em seu grist maltes torrados, que fornecerão notas de café e marcarão sua presença visivelmente dando o tom “preto” em algumas versões.

Lúpulo

O queridinho das IPAs são fundamentais para fornecer o amargor que contrapõe ao dulçor fornecido pelos açúcares mais complexos do malte. Além disso, algumas variedades propiciam também aromas apaixonantes de frutas cítricas, herbais ou florais. Esses aromas são característicos de cada variedade de lúpulo. Alguns são extremamente específicos, como o caso do Hallertau Polaris, que propicia notas de menta e abacaxi na gelada.

Levedura

Gosto de falar que quem faz cerveja não são os cervejeiros, mas as leveduras. Isso, por que são elas que fermentam as moléculas de açucares simples e os transformam em álcool, CO2 e ésteres aromáticos, ou seja, nossa cerveja. No entanto, é um universo à parte. Ales, Lagers e Lambics, se diferenciam fundamentalmente pela levedura usada na fermentação. Elas dão vida ao mosto, transformando as substâncias extraídas durante a brassagem na bebida que a gente tá doido pra degustar agora! Hmmm… taí! Que tal uma cerveja agora? It’s Beer O’Clock!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *